ARLA 32


Sala de Imprensa

Confira aqui os principais releases e notas divulgados para a imprensa

 

2018

Maio / 2018: Destaque Química decide encerrar produção de ARLA 32

Fevereiro / 2018: Consumo de ARLA 32 fecha o ano 45% abaixo do necessário para a frota de pesados

 Janeiro / 2018: Produção de ARLA 32 caseiro pode ser uma solução perigosa para reduzir os custos com o produto

 

2017

 Novembro/ 2017: Consumo de ARLA 32 ganha fôlego e fica 45% abaixo do necessário no terceiro trimestre de 2017

   Setembro/ 2017: INMETRO cancela e suspende registros de marcas de ARLA 32

   Setembro/ 2017: INMETRO suspende registro de ARLA 32 da JF Matão

 Agosto/ 2017: Utilização de ARLA 32 fica 50% abaixo do exigido para a frota do Brasil
Maio/ 2017: Consumo de ARLA 32 continua cerca de 50% abaixo do necessário no primeiro trimestre de 2017
Março/ 2017: Em 2016 consumo de ARLA 32 ficou quase 50% abaixo do estimado
Fevereiro/ 2017: Entidades se reúnem para discutir novas fases para o Controle de Emissões Veiculares no país
 2016
Outubro/ 2016: Consumo de ARLA 32 está 42% abaixo do estimado
 Setembro/ 2016: Entidades apresentam aos candidatos à Prefeitura de São Paulo dados que comprovam eficiência da inspeção veicular
 Agosto/ 2016: Inmetro suspende licença de comercialização de ARLA 32 de três empresas
Junho/ 2016: PRF realiza operações em São Paulo e apreende veículos por irregularidades no uso de ARLA 32
Junho/ 2016: AFEEVAS e Ministério Público de São Paulo promovem Workshop sobre Emissões Veiculares

Denúncias

A utilização de produtos pirata, emuladores ou “chips paraguaios”, além do transtorno de ter o veículo retido pelas autoridades policiais, é crime ambiental e pode gerar multa. Substâncias caseiras ou de origem duvidosa também são classificadas como infração veicular e crime ambiental, além de danificarem o catalisador do caminhão, causando um prejuízo de até R$ 20 mil e a perda da garantia do veículo.

Caso saiba de uma empresa ou motorista que realiza algumas dessas irregularidades, as denúncias podem ser feitas para os seguintes contatos:

IBAMA: 0800 618080

Polícia Rodoviária Federal: 191